Pular para o conteúdo principal

Da Rosa Cósmica de Khunrath - Primeira Parte

Longe da pretensão de dizer um algo inédito acerca do tema, e muito menos alcançar a profundidade e eloquência de mestres passados que já decorreram de modo quase definitivo acerca do assunto, como Stanislas de Guaita, achamos, ainda assim, de interesse a divulgação de temas clássicos que apesar de figurarem nos curriculos de muitas tradições rosacruzes, acabam ficando de lado especialmente em lingua portuguesa. 

 Motivamos pela decodificação da reforma proposta pelo rosacrucianismo através das obras clássicas, analisaremos no presente o Emblema intitulado “Rosa Cósmica” de autoria Heinrich Khunrath (1560-1605), um autor de extrema importância na construção do pensamento rosacruciano clássico. Lembremos que este tipo de figura visual intitulada Emblema foi amplamente utilizada em certas Ordens Católicas e posteriormente nos movimentos protestantes clássicos sendo constituídos por imagens que se comunicam com um texto e juntos transmitem determinada mensagem, neste particular recomendamos a leitura de "The Emblem" de John Manning um clássico no tema. É neste contexto de análise de emblema que nos esforçaremos em contribuir de algum modo na descrição e análise da "Rosa Cósmica", que por conta da extensão, será realizada em partes. 

Seguindo a lógica de Jung na análise de mandalas, imagens do eu, começaremos pela figura central, a que se reduzirá esta primeira parte da análise, o ponto zero da emanação dos conceitos ali contidos sob a figura de um Sol, núcleo do emblema. Este Sol é a temática central, onde figura Crestos, na postura de crucificação, mas sem a presença da cruz, portanto ressurreto (Reconciliado). O centro do Sol, que evoca à Tiphereth (Símbolo da Reintegração) possui três estágios de Luz, no primeiro e mais central destes vemos inscrito a divisa: “Verdadeiramente Filho de Deus” (Vere Filius Dei Ipse). No segundo estágio da Luz Solar temos a divisa de Constantino, símbolo da vitória e hegemonia do Cristianismo em Roma, mas aqui evocando a vitória da Cruz em seu sentido esotérico: “Sob este símbolo conquistarás” (In Hoc Signo Vinces). De modo muito sutil os pés de Crestos repousam sobre a cabeça de uma fênix que ascende (a Via Qabalistica de Retorno à Casa do Pai, à Coroa) rumo à Kether. 
No terceiro e último estágio da Luz Solar, que já não possui o formato circular idêntico ao Sol, ganha contorno de raios que ao se emanarem do centro formam um pentagrama, em cada ponta figurando uma das letras do Tetragamaton somada à Schin (descida do Espírito Santo). Nesta fórmula YHVH (Jeová) é manifesto no Pentagramaton YHShVH (Jeshua). Nos raios menores, intercalados, vemos dispostos os nomes 10 Santos Nomes de Deus (Ehieh, Yah, YHVH, El, Elohim Gibor, Eloah, YHVH Sabaoth, Elohim Sabaoth, Shaddai e Adonai Melekh, associados aos dez frutos da Arvore da Vida) que simbolizam aspectos da manifestação de Deus e que orbitam, como todo o conjunto, à Crestos. Isso nos remete à visão “tipherethcêntrica” do rosacrucianismo, tendo em vista que vemos uma Árvore da Vida com protagonismo de Tiphereth, o que nos parece óbvio tendo em vista que tal esfera representa a Operação Rosa+Cruz, as Bodas Alquímicas, a União Mística com o Santo (Anjo). Tal Operação parece estar, portanto, centralizada na figura de Crestos, lembrando que o conceito de Unio Mystica já está presente no judaísmo e mesmo no cristianismo primitivo. No próximo texto trataremos de prosseguir na análise rumo ao primeiro Arco de Nuvens que emoldura o Crestos Solar.
Frater AEL - R+C א

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Rosa Cósmica de Khunrath - Segunda Parte

Como apresentado na primeira análise a “Rosa Cósmica” de Khunrath, em Amphitheatrum sapientiae aeternae. [Hamburg: s.n., 1595, a figura “Crística” é central tendo em vista que trata-se de uma produção da QBLH cristã, sendo o Pentagramaton o “Grande Selo”. Na figura Ele está representado como Cristo Ressurreto (Fênix) em meio ao Sol (Tipharet), de onde emanam (ou convergem) todos os Nomes de D’us, sendo que em destaque nos raios solares está em sentido anti-horário seu Grande Nome (YHShVH, ou seja Espírito Santo em nome de YHVH, a fórmula D’us-Homem). Apresentamos a figura analisada em destaque (Arco de Nuvens) e a figura completa de nossa análise até este ponto para localizar as referências ao leitor.  É ao redor deste “Grande Selo” que se organiza o universo simbólico da “Rosa Cósmica” e onde figura o primeiro Arco de Nuvens de onde prosseguiremos nossa simplória análise. Acima da ponta superior do pentagrama temos a esfera mais escura com a inscrição Ain Soph o “Ilimitado”, ou seja,…

Reis de Sabedoria

Os Reis de Sabedoria são aspectos do estado iluminado da mente, descritos desde a literatura hinduísta e incorporados ao Budismo Esotérico. Suas forças hostis e faces em fúria visam a repulsa dos venenos da mente e a manifestação do estado desperto intrínseco aos seres. Representam o poder da fórmula budista em submeter as paixões e emoções nefastas que impedem a mente de viver em sua plenitude de Luz.

Dentre os Reis de Sabedoria, se destacam aqueles emanados dos Budhas de Sabedoria (Dhyani Budha), guardiões responsáveis pelos quatro pontos cardeais e pelo centro do espaço infinito. São também classificados entre os Protetores do Dharma, que preservam a Jóia do Dharma de ser pervertida ou distorcida, zelando pela fé budista original e subjugando os inimigos da Sabedoria.
Os Reis de Sabedoria possuem lugar de destaque no culto da Escola da Palavra Verdadeira de Budismo Esotérico (Shingon-Shu), especialmente por personificarem mensageiros do Iluminado Cósmico (Dainichi Nyorai) ou aspect…