Pular para o conteúdo principal

Da Rosa Cósmica de Khunrath - Segunda Parte

Como apresentado na primeira análise a “Rosa Cósmica” de Khunrath, em Amphitheatrum sapientiae aeternae. [Hamburg: s.n., 1595, a figura “Crística” é central tendo em vista que trata-se de uma produção da QBLH cristã, sendo o Pentagramaton o “Grande Selo”. Na figura Ele está representado como Cristo Ressurreto (Fênix) em meio ao Sol (Tipharet), de onde emanam (ou convergem) todos os Nomes de D’us, sendo que em destaque nos raios solares está em sentido anti-horário seu Grande Nome (YHShVH, ou seja Espírito Santo em nome de YHVH, a fórmula D’us-Homem). Apresentamos a figura analisada em destaque (Arco de Nuvens) e a figura completa de nossa análise até este ponto para localizar as referências ao leitor.
 É ao redor deste “Grande Selo” que se organiza o universo simbólico da “Rosa Cósmica” e onde figura o primeiro Arco de Nuvens de onde prosseguiremos nossa simplória análise. Acima da ponta superior do pentagrama temos a esfera mais escura com a inscrição Ain Soph o “Ilimitado”, ou seja, D’us em sua manifestação Incognoscível, os adjetivos que não podemos afirmar sobre D’us a partir de nossos referenciais limitados, o mesmo “Ilimitado” que se torna manifesto em Frutos da Árvore da Vida. A esfera escura onde está inscrito simbolizaria justamente a inabilidade da mente humana (mente-coração) em seu estado atual de “lançar luz” apenas com a razão sobre estes atributos de D’us. Mas há uma redenção, um caminho que podemos lançar luz com a razão rumo à D’us representado pela esfera clara, sob os pés de Cristo, abaixo da fênix, onde vemos escrito Emet (Verdade)! A Verdade como “a Natureza para além das distorções de nossos próprios sentidos e limites”, já que a “Verdade os libertará” (João 8:32). A Verdade é portanto (mesmo valor de “Selo”, “Verificação”) a percepção da Vontade de D’us na Criação, um impulso que atrai a Alma à seu Amado. 
O “tipherethcentrismo” que afirmamos, simbolizado pelo Pentagramaton, somado a inscrição de Emet (Verdade) logo nos remete à João 14:6 em “Eu sou o caminho, a VERDADE, e a vida. Ninguém vem ao Pai, a não ser por mim”, uma alusão ao obrigatório estágio representado pelo resultado da Operação Rosa+Cruz, o Casamento Alquímico, a conjunção amorosa da Alma com ADNAI, que é a grande Obra do Iniciado rumo ao Adeptado. Entre a esfera escura do “Incognoscível” e a clara da “Verdade”, estão dispostos raios da luz (solar) que perfuram as nuvens, vencendo-as, e de onde despontam os nomes das Dez Esferas, ou Frutos da Árvore da Vida, portanto os meios cognoscíveis de aproximar-se do Divino: Kether, Chokma, Binah, Chesed, Geburah, Tiphareth, Netzach, Hod, Yesod e Malkuth, em sentido horário. Lembramos que o Tetragramaton é a síntese das 10 Esferas onde D’us possui Dez Nomes, mesmo sendo Um (4=1+2+3+4.’.4=10) como ensinado por nosso Mestre e Irmão Papus.
Fora do Primeiro Arco de Nuvens, temos as 22 letras do AlephBeit, ou alfabeto, as pedras fundamentais com os quais D’us a tudo criou no Universo e na Mente-Coração do homem como ensinado no Livro da Criação (Sefer Yetzirah). No espaço do Céu entre o Primeiro e o Segundo Arco de Nuvens temos a Nova Lei, que veio para fazer cumprir a Antiga lei, ou seja o axioma cristão expresso no maior Mandamento da Lei: “Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento! (...) Amarás ao teu próximo como a ti mesmo”(Lucas 10:27) em Latim: “DOMINUM DEUM TUUM EX TOTO CORDE TUO, ET EX TOTA ANIMA TUA, ET EX OMNIBUS VIRIBUS TUIS, ET EX OMNI MENTE TUA, ET PROXIMUM TUUM, SICIT TE IPSUM DILIGES”. O axioma é pontuado pelo termo latino OMNIA, ou seja, “Tudo” ou “Todo” que serve de base para o triângulo que contém a emanação do nome impronunciável do Tetragramaton (Y) > (Y H) > (Y H V) > (Y H V H) ou seja (10+15+21+26 = 72) claramente o símbolo deste Todo na QBLH. 
Nossa análise representa um mero “pontapé inicial” para que nós buscadores possamos utilizar este “roteiro meditativo” que deveria ser alvo não só de nossa razão, apreendendo os conceitos fundamentais da Operação R+C, mas igualmente colocado em prática através da constante visualização de onde extrairá o melhor de todos os Néctares. Seguimos assim nossa análise da “Rosa Cósmica” que renderá mais algumas palavras a seu respeito em tópicos seguintes.
P'.'B'.'R+C!
Frater AEL - R+C א

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Rosa Cósmica de Khunrath - Primeira Parte

Longe da pretensão de dizer um algo inédito acerca do tema, e muito menos alcançar a profundidade e eloquência de mestres passados que já decorreram de modo quase definitivo acerca do assunto, como Stanislas de Guaita, achamos, ainda assim, de interesse a divulgação de temas clássicos que apesar de figurarem nos curriculos de muitas tradições rosacruzes, acabam ficando de lado especialmente em lingua portuguesa. 
 Motivamos pela decodificação da reforma proposta pelo rosacrucianismo através das obras clássicas, analisaremos no presente o Emblema intitulado “Rosa Cósmica” de autoria Heinrich Khunrath (1560-1605), um autor de extrema importância na construção do pensamento rosacruciano clássico. Lembremos que este tipo de figura visual intitulada Emblema foi amplamente utilizada em certas Ordens Católicas e posteriormente nos movimentos protestantes clássicos sendo constituídos por imagens que se comunicam com um texto e juntos transmitem determinada mensagem, neste particular recomendam…

Ordem Renovada do Templo (ORT)

"De todas as Ordens de Cavalaria, nenhuma teve um destino tão extraordinário quanto os Templários. Nenhuma teve tal influência sobre a direção do mundo." K E. Michelet
Muitas são as atuais manifestações de Ordens neo-templárias ou inspiradas no ideal cavalheiresco templário, contando ainda neste cenário muitas outras organizações iniciáticas que alegam serem herdeiras da tradição templária apesar de conterem pouco das práticas cristãs esotéricas. Umas das grandes expoentes deste movimento e grande pioneira nesta missão foi a Ordem Renovada do Templo que surge na década de 60 sob um alegórico fato ocorrido em Grotoferrata - Itália e tem seu Mestre Externo instalado na Cripta de Notre Dame, com uma dupla missão a cumprir: primeiramente permitir ao maior número possível de indivíduos alcançar um certo nível de compreensão do Universo - e do seu próprio Universo - ali encontrar o equilíbrio e a harmonia do seu ser e do seu comportamento, de desenvolver dentro de si certas qualidad…