Pular para o conteúdo principal

As mulheres no Martinismo (Parte I)


Quando Ragon escreveu sobre o problema da Maçonaria disse que “se nosso pai Adão quisesse abrir uma Loja no paraíso, só poderia faze-lo com sua esposa Eva” e muitos maçons depois ainda citam que sendo Eva a primeira a comer do fruto da Árvore do Conhecimento, esta teria sido a primeira iniciada, e só posteriormente Adão seria iniciado por ela.
Examinaremos neste artigo não só a questão da mulher na iniciação mas em específico o papel da mulher na iniciação Martinista e sua atuação no decurso histórico.
Sabemos que o iniciador deste movimento foi Martinez de Pasqually que fundou a Ordem dos Cavaleiros Maçons Eleitos Cohen dando início ao movimento Martinezista, ordem esta que participaram Jean Baptiste Willermoz, responsável por retificar o movimento inicial criando o Willermonismo através do Rito Escocês Retificado, e Louis Claude de Saint Martin, que fundou o movimento Martinista.
Apesar de inicialmente não organizado na forma de uma Ordem, anos depois da existência de nosso Venerável Mestre Saint Martin, em Paris, a transmissão iniciática chegou à dois franceses: Papus e Chabouseau, ambos iniciados na corrente que remontava à Saint Martin e responsáveis pelo processo de organização da tradição martinista, formatando-a em uma Ordem, a Ordem Martinista. Não nos alongaremos mais a este respeito pois esta história já é bem sabida por todos nós.
Trataremos aqui, de forma mais didática, três períodos desse movimento e a influência feminina presente em cada uma destas fases.
Na época de Martinez não foi apenas uma a mulher que atuou junto ao movimento Martinezista, mas dentre elas destaca-se a irmã de Willermoz que foi iniciada na Ordem dos Eleitos Cohen, com o pleno consentimento e apoio de Saint Martin, que tinha uma posição muito clara quanto a participação feminina nos trabalhos iniciáticos. Ele escreveu que “ a Alma feminina não surgiu da mesma fonte que a Alma revestida de um corpo físico masculino? Ela não tem de empreender o mesmo trabalho a ser empreendido, o mesmo espírito combatente, o mesmo fruto de esperança?”. Trataremos agora de outras mulheres que foram iniciadas na Ordem dos Eleitos Cohen e participaram de seus trabalhos sendo que, para isso, tiveram de ser iniciadas, exaltadas e consagradas nos três graus de Aprendiz, Companheiro e Mestre Maçom da maçonaria Universal.
Escreveu Le Forestier que em 1770 a Ordem dos Eleitos Cohen admitia a figura da mulher em seus trabalhos (aliás como aconteceu em muitas outras organizações iniciáticas), mas a solução desta problemática não era muito clara. Pasqually negava apenas que as mulheres comandassem os espíritos que eram parte dos trabalhos, mas um dos artigos do Estatuto da Ordem permitia a recepção de mulheres mediante a condição de que sua admissão estava condicionada a aprovação “física e direta da Chose” ficando a um passo observadas durante uma operação especificamente direcionada a este propósito.
As irmãs – registradas em literatura estudada para este fim – foram poucas. Matter e Joly, mencionando a princesa da Lusignan, Senhorita Chevrier (uma das alunas preferidas de Pasqually), e a Senhora De Brancas. Estas iniciações todavia eram muito discutidas, inclusive o cargo de Deputada Provincial assumido pela irmã de Willermoz, conhecida como “pequena mãe”, e assim chamada por Saint Martin que lhe era tão devoto. Claudina Tereza Willermoz foi uma das figuras femininas mais importantes da Ordem dos Eleitos Cohen.
continua...



Escrito por nosso querido Mestre Nebo e traduzido pelo Irmão AEL S:::I:::

Comentários

  1. No se quien eres pero me encanta tu forma de escribir por favor te pido que me lea para ver que te parezco mi blog es cynthiaorive.blogsport.com se titula El rincón del naufrago.

    ResponderExcluir
  2. São ótimos textos! Um refresco para a alma no ambiente da internet! Parabéns pela iniciativa!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Rosa Cósmica de Khunrath - Primeira Parte

Longe da pretensão de dizer um algo inédito acerca do tema, e muito menos alcançar a profundidade e eloquência de mestres passados que já decorreram de modo quase definitivo acerca do assunto, como Stanislas de Guaita, achamos, ainda assim, de interesse a divulgação de temas clássicos que apesar de figurarem nos curriculos de muitas tradições rosacruzes, acabam ficando de lado especialmente em lingua portuguesa. 
 Motivamos pela decodificação da reforma proposta pelo rosacrucianismo através das obras clássicas, analisaremos no presente o Emblema intitulado “Rosa Cósmica” de autoria Heinrich Khunrath (1560-1605), um autor de extrema importância na construção do pensamento rosacruciano clássico. Lembremos que este tipo de figura visual intitulada Emblema foi amplamente utilizada em certas Ordens Católicas e posteriormente nos movimentos protestantes clássicos sendo constituídos por imagens que se comunicam com um texto e juntos transmitem determinada mensagem, neste particular recomendam…

Da Rosa Cósmica de Khunrath - Segunda Parte

Como apresentado na primeira análise a “Rosa Cósmica” de Khunrath, em Amphitheatrum sapientiae aeternae. [Hamburg: s.n., 1595, a figura “Crística” é central tendo em vista que trata-se de uma produção da QBLH cristã, sendo o Pentagramaton o “Grande Selo”. Na figura Ele está representado como Cristo Ressurreto (Fênix) em meio ao Sol (Tipharet), de onde emanam (ou convergem) todos os Nomes de D’us, sendo que em destaque nos raios solares está em sentido anti-horário seu Grande Nome (YHShVH, ou seja Espírito Santo em nome de YHVH, a fórmula D’us-Homem). Apresentamos a figura analisada em destaque (Arco de Nuvens) e a figura completa de nossa análise até este ponto para localizar as referências ao leitor.  É ao redor deste “Grande Selo” que se organiza o universo simbólico da “Rosa Cósmica” e onde figura o primeiro Arco de Nuvens de onde prosseguiremos nossa simplória análise. Acima da ponta superior do pentagrama temos a esfera mais escura com a inscrição Ain Soph o “Ilimitado”, ou seja,…

Ordem Renovada do Templo (ORT)

"De todas as Ordens de Cavalaria, nenhuma teve um destino tão extraordinário quanto os Templários. Nenhuma teve tal influência sobre a direção do mundo." K E. Michelet
Muitas são as atuais manifestações de Ordens neo-templárias ou inspiradas no ideal cavalheiresco templário, contando ainda neste cenário muitas outras organizações iniciáticas que alegam serem herdeiras da tradição templária apesar de conterem pouco das práticas cristãs esotéricas. Umas das grandes expoentes deste movimento e grande pioneira nesta missão foi a Ordem Renovada do Templo que surge na década de 60 sob um alegórico fato ocorrido em Grotoferrata - Itália e tem seu Mestre Externo instalado na Cripta de Notre Dame, com uma dupla missão a cumprir: primeiramente permitir ao maior número possível de indivíduos alcançar um certo nível de compreensão do Universo - e do seu próprio Universo - ali encontrar o equilíbrio e a harmonia do seu ser e do seu comportamento, de desenvolver dentro de si certas qualidad…